Sign of the Nation – Benjamin Moreh – 2013

Cinema transfer printing analógico e tinta em spray sobre madeira 120 X 240 cm 2013

Cinema transfer printing analógico e tinta em spray sobre madeira 120 X 240 cm 2013

Sign of the Nation

“Da adversidade vivemos”
Helio Oiticica

Brasil, 2013. A realidade é dura pra quem vive nas periferias dos trópicos. Quase sempre, pela ausência ativa e responsável do governo (poder instituído) o caráter oficial da ocupação da cidade e das vias marginais, se dá de maneira “oficiosa”.

Este universo imagético rico de estéticas degradadas e de dramas sociais surge como pilar para a pesquisa que o artista Bruno Miguel, apresenta na exposição “Sign of the Nation”. Os suportes explorados nesta mostra vão de placas de rua substituídas, adquiridas junto às instituições oficiais americanas (corpo de bombeiros e departamento de polícia) até peças de madeiras variadas compradas em populares lojas de material de construção. Todos saturados pelas histórias adquiridas em sua existência no mundo real, prévias à apropriação que o artista o faz.

A imagem chave da exposição é uma construção / outdoor de estrutura precária que se impõe em uma das principais vias de trânsito do país, a Avenida Brasil. Um monumento colossal ao modus operandi de nossa sociedade que aprendeu a lidar a partir de seu “jeitinho brasileiro” com a informalidade e a indiferença do olhar, frente às ocupações que o “sistema” auto preenche em suas frestas. Onde o estado não se apresenta como deveria, alguém há de estar ganhando ou criando novas dinâmicas de poder.

Em “Sign of the Nation” Bruno apresenta um conjunto de trabalhos em que a pesquisa sobre novas tecnologias na arte é subvertida em prol de suas aplicações analógicas na pintura. Um exercício de enfrentamento, não de negação. Talvez uma busca pela transgressão, uma quebra da frieza que a era digital impõe aos processos em suas faturas.

A cidade que se vislumbra nesta mostra, não é o Rio de Janeiro das Olimpíadas ou dos cartões postais. É um Rio que se entorna mais ao norte do Aeroporto internacional do Galeão. Aquele que nem os turistas, nem os artistas viajantes costumam conhecer. Welcome to Rio!

Benjamin Moreh – Curador Independente